Poema aberto em prece

Cantar a leitura na casa de ruínas

abro o corpo à espera do poema. abro os olhos,

fio com a lâmina da voz,       

deito nos pés o início da escrita.

da casa de ruínas restam folhas, [retalhos do todo],

guardadas na espessura da pedra.

é no corpo que a casa desenha o espaço do poema.

é no corpo que o poema inicia o seu outono:

deixar cair as folhas

corpo-folha, alargado sobre o chão do tempo.

  

e o poema, deitado-pedra, ensina a prece do dia.

 

rezar a leitura, ela tinha dito.

  

 

Cantar a leitura na casa da claridade

 

dobrou o corpo sobre a mesa de palavras, aguardou o chamado
do silêncio branco,

 

esperava, na casa da claridade, o escuro que antecede o início da escrita. escreve,                    disse o poema aberto sobre a cama. escreve,         disse o poema aberto.
 

e o poema, deitado-corpo, ensina a prece do dia.

 

rezar a leitura, ela tinha dito.

 

Cantar a leitura na casa das águas

 

ela,

engendrada no ventre do poema, tem nos pés a escrita, nos olhos o lume, nos lábios a voz. luz d’escrita no canto das águas.

deixar passar a luz                                                                                                                                                  deixar pousar a lágrima

ela,

avança na claridade do mar, bordando com o fio d’água a renda aberta,                                                                                                                  tecido de corpo. um fio d’água, uma pedra de sal, um nó d’água, uma gota de sal, um laço d’água, um sereno de sal.

ela,

riscada no vazio do poema, inicia a sua aurora:

deixar florir o branco                                                                                                      deixar romper o canto

 

e o poema, deitado-chama, ensina a prece do dia.

 

rezar a leitura , ela tinha dito

 

Cantar a leitura na casa dos ramos

 

teresa procura por ela,

palavra-oferenda, seiva que escorre pela     superfície lenhosa do corpo. faz dela um ramo de palmas brancas, oferenda do dia para a casa que abriga cada um desses corpus ardentes

canta teresa.                                                       destaca o ramo da voz encarnada nesse corpo.        faz dele um corpo leve, pois és tu a leviana, a cortesã dessas paragens. toda honra e toda glória para ti. pois leve é o teu sopro de vida. eterna é a tua luz.    

abre o livro para escorrer a gota da mística.       toma esse corpo, pétala vermelha, vida que atravessa o instante aberto do poema. é ele, Joshua, o poema aberto sobre o seu colo.                                                                                                                

ela, tão pequena, acolhe em seu ventre o sopro invisível dessa seiva.

 

e o poema, deitado-canto, ensina a prece do dia.

 

rezar a leitura, ela tinha dito.

 

Cantar a leitura na Casa da respiração

 

é noite.                                                                                                                               o poema regressa da estiagem do dia.                                                                              

busca, na casa da respiração, a lágrima de sal para curar a aridez dos anos gastos, a amplitude de luz que combate na claridade: curar a intensidade da luz com uma única fresta de luz.                                                                                                     curar, na claridade ofuscante, o intervalo de luz que resiste no aberto do céu: único cristal de sal.                                                                                                                                 

Há um branco mais branco do que aquele branco?                                                            

o poema segue, no passo da respiração do verbo, lugar em que a presença é coisa viva. Chama.         age nos corpos que parecem duros, contorna o sopro dos seres invisíveis, abre, no rapto da letra, o canto da floresta.                                                                                                                          o poema sabe, agora, que a cura se faz através das fissuras abertas pelas imagens.  Canto.                                                                                                                                  o poema sabe, e não mais do que isso, que perder a infância é dizer o corpo e o seu tormento.                é dizer o claro, a claridade, o cristal do nome.                                              

pois clara é o nome do poema. clara é a sua luz.

 

e o poema, deitado-sopro, ensina a prece do dia.

 

rezar a leitura, ela tinha dito.

  

Cantar a leitura na Casa da luz

 

amanhece nas paredes da  casa.                                                                                           a luz revela o corpo exausto, no regresso da sua passagem pelas imagens nunca antes vistas. regressa, das marcas do vazio exibidas em sonho.

na casa da luz,  o sonho realiza a inexistência de um tempo, o deslocamento de um espaço, o vento nas cortinas do quarto, o frio que acorda os vigilantes, o corpo da mulher absorvido pelo tecido vermelho.

 no sonho, o corpo realiza a imagem  da névoa imóvel, realiza a distância, realiza o amor, realiza a morte, no sonho                                                                                                                     a verdade dos olhos da criança.

no corpo, as imagens desenham o fio da voz do poema, revelam o real, afirmam a sua existência. prosseguem seu curso nas manhãs insones, imprimem a vidência nos olhos abertos.

corpo imaginante, acordado em sonho, tecido nesse tempo suspenso, nesse espaço sem tempo.

  

e poema, deitado-sonho, acorda em verso,

 

canta a leitura numa única prece:

  


cantai a leitura, ó poema, em forma de prece.

poema,

cantai a leitura que se oferece em prece nessa casa que abriga a solidão dos dias.

alegrai-vos com a casa que se abre para além do incontido de suas paredes,

alegrai-vos com o sal, cristal branco, estrela maior.

alegrai-vos com o sopro da criança,

com a sua respiração luminosa.

alegrai-vos com as ruínas, pedra única,

canto primeiro da corredeira de águas.

 

branca, ela banha o corpo. branca, ela mistura-se à sua cor. branca, ela resiste, como cristal, na superfície lisa. branca, ela regressa do sonho. da luz dos olhos da infância.

alegrai-vos com essa luz.

 

 

 

 

alegrai-vos com a claridade do poema aberto                                                                 em sonho                                                                                                                          nessa prece.

 

 

 

porque um dia gostava de ser como tu. 

(Janaína de Paula)

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s