Estético Convívio

Foto Artur.

Foto Artur

Ontem, dia 29 de novembro, a Cas’a’screver esteve em festa novamente, celebrando o lançamento do terceiro livro editado pelo selo da Cas’a.

Florarvore no jardim da solidão, livro de poemas da psicanalista Flavia Naves, com desenhos de Julia Panadés e projeto gráfico de Izabela D’Urço, é assim apresentado por sua editora, Janaína de Paula:

Um corpo só de poesia

Algumas palavras nos chegam assim. Trazidas um dia, por uma das inumeráveis surpresas da vida. Recolhidas de um jardim distante, coberto de terra, musgos, raízes tecidas como colcha de renda cada vez mais rara, lembranças esquecidas no grão da folha em desalinho, essas palavras nos chegam como verbo intransitivo anunciando um canto de solidão. Na queda do acento: Florarvore. Sim. Torna-se florárvore. Florarvore-se. Flora em estado de grão, tronco que guarda cada uma das linhas em desatino, o som mudo dos cômodos, o segredo de um nome adormecido na mulher. Árvore, flor, mulher. Três estados vegetais. Seria preciso conhecê-los. Esse estado. Para fazer dele um corpo só de poesia.
A mulher dá mais um passo. É larga a travessia. É estreito o caminho. A língua desdobra-se no pedaço obscuro de um amor que se fragmentou, na transpiração de um gozo úmido que amanhece escrito, no jasmim orvalhado de saudade. Florarvore. Será preciso descer mais um pouco. Tocar o chão. Recolher dos galhos mais altos o conhecimento vegetal, o gosto do barro, a clorofila – “primeira matéria do poema”.
Ela desce. Transpõe o limiar. Toca o barro e costura, com letras mareadas, o nome e seu avesso, as águas, os veios, três mil raízes e uma única réstia de luz. A árvore lhe esculpe os olhos. O barro lhe desenha o corpo e toma a forma que ela quer, “sem que ela saiba estar fazendo apenas o que o barro quer”.
A mulher dá mais um passo. Alarga o caminho. Tem a arte de jardinar.
Veja, “respira como árvore”. A “ouço ofegar como um rumorejo de folhas”. Reconheço um nome esculpido na trama do vegetal lenhoso.
Algumas palavras nos chegam assim: saídas do barro, secam imediatamente. Seu corpo vegetal nos aterra. Enquanto ela, Flávia, florarvora no jardim da solidão.

Um corpo todo de árvore me fiz.

Janaina de Paula

Foto Danilo Azevedo

Foto Danilo Azevedo

Foto Danilo Azevedo

Foto Danilo Azevedo

Foto danielo azevedo 3

Foto Danilo Azevedo

foto danilo azevedo 4

Foto Danilo Azevedo

foto danilo azevedo 5

Foto Danilo Azevedo

foto danilo azevedo 6

Foto Danilo Azevedo

foto danilo azevedo 7

Foto Danilo Azevedo

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s