Esta é minha carta ao mundo

janaina-1Foto de Janaína de Paula

                                                           ” Nunca olhes os bordos de um texto. Tens que começar                                                         numa palavra. Numa palavra qualquer se conta.” (Llansol)

Começo com a palavra: Começo. Esta que se conta, às vezes pelas bordas, e que inicia a sequência de uma narrativa que só se desenvolve pelos meios. A palavra iniciante, começante, traz no seu corpo bordado não só o início de uma contagem, a sequência que se desenrola seguindo o recurso arbitrário da ordem alfabética, mas também o princípio de uma narrativa que nos conta o caminho de um curso que começa com a presença solitária da palavra daqueles que sabem da responsabilidade e da alegria de carregar — como um menino que carrega água na peneira — o peso de sua língua.

Começo, neste primeiro dia do ano de 2017, com a alegria nas mãos: Novo Dicionário de Migalhas da Psicanálise Literária, organizado por Vania Maria Baeta Andrade. Começo contando, a partir dessas migalhas recolhidas no livro e espalhadas, arbitrariamente, sobre o chão do dia, a alegria de ter o livro que acolhe o desejo de escrever o infinito com palavras: “formas impulsivas, cheias de um rio que guardam extractos de um tempo e dos acontecimentos, num ficheiro integralmente caótico”.

Começo, ainda, com o desejo de que possamos contar os dias deste novo ano como quem recolhe as migalhas espalhadas pela mesa: com ternura e delicadeza. Porque aprendemos que a palavra tem peso, ata e desata uma dor, desenha realidades e se coloca a serviço das forças inventadas. Torna-se morada dos que se responsabilizam por sua presença: “você, que fala por ter a palavra, teria você esquecido de que sou sua, por você ser, previamente, meu?” E segue viva, como “corpos tocáveis, sereias invisíveis, sensualidades incorporadas”.

Bem vindo seja esse Novo Dicionário de Migalhas da Psicanálise Literária, morada de trinta e um corpos-verbete e quarenta e seis verbetes-corpo que bordam as margens delicadas de uma “Psicanálise Literária”.

                                                                                                                                     Janaína de Paula

Acesse aqui o Novo Dicionário de Migalhas da Psicanálise Literária. E que possamos espalhar, em 2017, estas migalhas, como pérolas aos poucos!

janaina-2

Foto de Janaína de Paula

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s