Arquivo do autor:fiodeaguadotexto

Reencarnar a palavra

Foto de C.Rafael Pinto Era uma tarde de sábado, tarde nublada em um tempo com pouco sol, quando, reunidas e reunidos ao redor do poema, um grupo e um encontro se nomeou: Reencarnar a palavra, dando-lhe a gravidade das coisas … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Para que o romance não morra

“Da áspera matéria do enigma” – Foto de Lucia Castello Branco Fotos de Ana Alvarenga Para que o romance não morra, o corpo de Barthes, em performance de Paloma Vidal. Para que o romance não morra, o corpo e sua … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Para que o romance não morra

Fotos de Ana Alvarenga Uma aula de lampejos, disse Maraíza Labanca, ao iniciar sua cantoria a mais dos restos de Nuno Ramos. Lampejos da matéria, a que não engana, como escreveu o autor, a que deseja tomar a forma fraca … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Para que o romance não morra

Fotos de Lucia Castello Branco “Para escrever, é preciso que já se escreva”. Ela começa por esta frase de Blanchot, lugar onde, sabemos, ela também vai terminar. Começa por chamar esta frase como epígrafe, porque, sem que o saibamos, ainda, … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Para que o romance não morra

Fotos de Erick Gontijo Dando continuidade à aula-poema de Erick Gontijo, àquilo que conhece o começo, a palavra começante, e não exatamente um fim, voltamos às notas desse curso de silêncio na letra de Erick, em suas anotações do poema … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Para que o romance não morra

Fotos de Ana Alvarenga “Porque o prestígio da poesia é menos não acabar do que propriamente começar. É um início perene, nunca uma chegada seja ao que for”, escreveu Herberto Helder; “Onde-vais, Drama-Poesia?”, escreveu Maria Gabriela Llansol. A poesia, em … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Para que o romance não morra

Fotos de Lucia Castello Branco “Há mais tons de branco do que a brancura faz supor”. Há o corpo que se desloca, um corpo cem memórias de paisagem. Há o barulho do mar na Bahia de Todos os Santos. E … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Marcado com , , , | Deixe um comentário