Arquivo do autor:fiodeaguadotexto

A luta cotidiana pelo fulgor

minas e pedras – Foto de Jonas Samudio   Dando continuidade à luta diária pelo fulgor, passamos agora ao Terceiro Dia em texto de Jonas Samudio.   Terceiro dia   Lugar em que os corpos levitam, escrevo, dedicado àquele em … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | 2 Comentários

A luta cotidiana pelo fulgor

Capão, Bahia — Foto de Sylvie Debs   Dando continuidade à luta diária pelo fulgor, passamos agora ao Segundo Dia em texto de Lucia Castello Branco.   Segundo dia   Este, o segundo dia, também não haveria de ser fácil. … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

A luta cotidiana pelo fulgor

Boca de Leão na parede calada — Foto de Vania Baeta   Dando continuidade à luta diária pelo fulgor, passamos agora ao Primeiro Dia em texto de Vania Baeta.   Primeiro dia   É início do ano 2019. Há séculos, … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

A luta cotidiana pelo fulgor

Capão, Vila Esperança, Bahia. Foto de Sylvie Debs   Iniciados, o ano e uma nova série, a luta cotidiana pelo fulgor. Tempos em que o dom e a luta vêm se cruzar, como artífices do novo e da sua aparição. … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | 2 Comentários

Para que o romance não morra

Foto de Tatiane Costa Porque repetir, como o sabemos, é também uma forma de recordar e elaborar, aqui repetimos, como memória do ano que termina, imagens do curso de silêncio, capturadas por Ana Alvarenga e editadas por Jonas Samudio, também … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Para que o romance não morra

Foto de Lucia Castello Branco   Ana me pede que lhe dê a direção. A direção para um trabalho que já começou, antes mesmo que nos déssemos conta disso. Lembro-me de uma figura importante da obra de Llansol: “Ana ensinando … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Para que o romance não morra

Foto de C.Rafael Pinto Para que o romance não morra, continuamos a escrever, a tornar públicos os afetos que escrevemos. Continuemos a habitar, na intensidade dos encontros, os livros e os textos, corpos vivos que nascem. Nessa vibração, vivemos, no … Continuar lendo

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário